Publicar

NORMAS GERAIS DE EDIÇÃO

As regras de edição da Mundos Sociais constituem uma adaptação, com o devido agradecimento, das normas seguidas pela Celta Editora.


I. Definições gerais


1. O manuscrito original deve obedecer às regras do novo acordo ortográfico e ser produzido em processamento de texto, utilizando, preferencialmente, o programa Word for Windows. Não deve ultrapassar as 300 páginas (600 mil carateres com espaços). Deve ser enviado para editora.cies@iscte.pt

2. Um livro é composto por capítulos numerados a árabe (1, 2, 3 …), eventualmente agrupados por partes numeradas a romano (I, II, III …) sem, no entanto, interromper a numeração dos capítulos. Antes do capítulo 1 deverão ser colocadas, por esta ordem, os eventuais prefácio, agradecimentos, notas biográficas, léxico de siglas e introdução; após o último capítulo são colocados os anexos, as fontes e as referências bibliográficas. Os índices geral, de figuras, quadros são colocados no princípio do livro; os índices remissivos no fim. Deve ser incluído ainda um documento com toda a informação sobre o livro, nomeadamente, título e subtítulo, nome(s) e ano(s) de nascimento do(s) autor(es) e indicação da titularidade do copyright. As páginas até à introdução (exclusive) são numeradas a romano (em minúsculas); as restantes são numeradas a árabe.

3. O manuscrito (texto e quadros) deve ser entregue num só ficheiro Word.

4. Os extratextos (gráficos, mapas, gravuras ou fotografias) devem ser entregues em ficheiros autónomos devidamente identificados: os gráficos num só ficheiro Excel; outras figuras, em formato "jpg" ou "tif", em ficheiro próprio único.

5. Tanto as "figuras" como os "quadros" devem ser numerados por capítulo (figura 1.1, é a 1.ª figura do capítulo 1, enquanto o quadro 3.5 corresponde ao quadro número 5 do 3.º capítulo.)


II. Sobre as notas


6. As notas devem ser inseridas no final da página, devendo cada capítulo ser tratado como uma unidade independente, isto é, a numeração das notas começa e termina com o capítulo. Nas notas pé-de-página não podem ser inseridos mais do que um parágrafo ou quaisquer extratextos.

7. No texto, os números das notas devem ser colocados no final do período relativamente ao qual se pretende adicionar esse elemento informativo ou explicativo e sempre após o sinal de pontuação. É desaconselhada a utilização de notas em títulos (sempre que necessário a remissão para uma nota sobre um título deve ser colocada no primeiro parágrafo de texto, a seguir ao primeiro sinal de pontuação, redigindo-se o seu teor por forma a ficar claro qual é o seu referente).


III. Convenções


8. Aquando da utilização de aspas, deve usar-se "…" e nunca «…» ou o apóstrofo "…‟. O apóstrofo é usado para indicar aspas dentro de aspas "…‟…‟…".

9. Nas situações em que existe referência numérica a percentagens, utilize o respetivo sinal e não a designação por extenso (25% e não 25 por cento).

10. Décadas e anos devem ser escritos sob forma numérica e não por extenso ("anos 40" e não "anos quarenta", "década de 1960" e não "década de sessenta").

11. Quando aparecem números de ordem iguais ou superiores ao milhar, usar o ponto como separador da casa dos milhares (ex.: 12.500 e não 12 500).

12. As casas decimais devem ser separadas por vírgulas (1,43); quando o número for inferior a 1 utilizar o zero antes da vírgula (0,94).

13. Sempre que se queira destacar um termo ou frase, utilize o itálico e não o negrito ou o sublinhado.


IV. Os extratextos


14. Os extratextos não devem conter, dentro do seu espaço próprio, quaisquer elementos acessórios, tais como "número", "título", "fonte", "notas" ou outros similares. Esses elementos devem ser colocados acima e/ou abaixo desse espaço próprio.

15. No corpo do texto, capítulo e respetiva página, deve ser assinalado o local de inserção do extratexto através de um parágrafo autónomo no qual se indique o número e título do extratexto, o nome do respectivo ficheiro e eventuais fontes e notas.

16. Para efeitos de legendagem entende-se como sendo "figuras" todas as representações do tipo diagramas, gráficos, fotografias, desenhos, mapas, gravuras e outras de idêntica natureza.

17. Quando o extratexto for um gráfico, este não deve ter efeitos tipo 3-D.


V. Formatação do texto


18. Na organização do texto de cada capítulo, devem os autores utilizar o formato de Headings, sempre que se trate de títulos de capítulos ou de secções do capítulo. Estes formatos existem pré-definidos no programa Word bastando, portanto, inseri-los de acordo com a situação específica. Assim, caso se trate de título de capítulo, utilizar-se-á o Heading 1; no caso de ser um título de uma secção dentro do capítulo utilizar-se-á o Heading 2; o Heading 3 será utilizado nos casos em que haja um segundo nível de título de secção dentro do capítulo. Como regra geral, um texto não deverá ter mais de três níveis.


VI. Referências bibliográficas


19. Sempre que o texto inclua bibliografia autonomizada e, portanto, constando de ficheiro próprio, as referências bibliográficas no corpo do texto devem conter, para além do apelido do autor, a indicação do ano da edição e, se for caso disso, a(s) página(s) correspondente(s). Por exemplo: "Segundo Goldstein (1984) o fenómeno das profissões …", ou, então"… de acordo com Eisenstadt, aquelas que estão "relacionadas com as esferas centrais e símbolos da sociedade e que representam a comunidade‟" (1968: 64-65), ou, ainda"… de acordo com o autor, aquelas que estão "relacionadas com as esferas centrais e símbolos da sociedade e que representam a comunidade‟" (Eisenstadt, 1968: 64-5).

20. A bibliografia deve ser organizada de acordo com os seguintes exemplos:


Ansart, Pierre (1970), Sociologie de Saint-Simon, Paris, PUF. Bauer, Michel, e Elie Cohen (1980), "Le gouvernement de la grande entreprise: pouvoir de la propriété ou appropriation du pouvoir?", Sociologie du Travail, 2, pp. 35-64.
Bourdieu, Pierre, e Jean-Claude Passeron (1981), "Os herdeiros: o ensino superior e as desigualdades sociais", em Maria Filomena Mónica (org.), Escola e Classes Sociais, Lisboa, Presença, pp. 125-148
Kovács, I., e outros (1994), Mudança Tecnológica e Organizacional: Análise de Tendências na Indústria, Lisboa, SOCIUS, ISEG.


Note-se que a separação entre os componentes das referências é feita sempre com a utilização da vírgula.
Saliente-se ainda que:


  • (i) independentemente do modo como vêm grafados no original, usam-se maiúsculas nos títulos dos livros e minúsculas nos dos artigos;
  • (ii) quando há mais de um autor, apenas para o primeiro se troca a ordem "nome, apelido" (quando se trata de texto incluído numa coletânea mantém-se essa ordem nos nomes de todos os organizadores);
  • (iii) antes dos títulos das revistas não se utiliza a expressão in; (iv) os números das revistas não são precedidos da expressão "n.º";
  • (v) quando as revistas forem numeradas por volume usa-se a notação volume (número) [ex.º Etnográfica, II (1)];
  • (vi) a separação entre o título e o subtítulo de uma obra, artigo ou revista deve ser feita com dois pontos, independentemente da grafia original;
  • (vii) sempre que se queira referir a data da edição original, recomenda-se o uso da notação "( data da edição consultada [data da edição original])", recomendando-se que, no corpo do texto, a referência seja identificada com a data da edição consultada.